Bem-Vindo, Visitante
Nome de usuário: Senha: Lembrar-me
  • Página:
  • 1

TÓPICO: Experimentação animal é fraude científica - Varíola

Experimentação animal é fraude científica - Varíola 11 anos 6 meses atrás #678

Baseado em minhas mensagens para comunidade "Não à vivissecção" (orkut)

Amigos, hoje tomei familiaridade com os debates que vem ocorrendo nesta lista. Não vamos nos deixar levar pela falácia, nem permitir que o debate seja levado para níveis tão baixos. A experimentação animal É uma fraude científica. NENHUMA, absolutamente NENHUMA descoberta científica significativa derivou destas pesquisas e a história oficial da medicina está cheia de manipulações.

Apenas para citar um breve exemplo, a descoberta das vacinas nada teve a ver com Jenner e as pustulas nas mamas de vaquinhas com cowpox. Nada foi acidental. As vacinas não foram inventadas na Europa por um inglês, mas foram introduzidas na Inglaterra pela esposa do embaixador inglês em Istambul, Sra. Mary Montagu, anos antes. Na época em que Jenner "imunizou" o garoto, a sra. Montagu já havia "imunizado" seus filhos e os filhos da rainha com uma vacina que os chineses haviam desenvolvido por meio de sua medicina tradicional.

Este é apenas um pequeno exemplo de como a história da medicina está cheia de manipulações de forma a que pareça que tudo foi inventado por europeus através de descobertas acidentais.

Please Entrar ou Registrar to join the conversation.

Nosso sistema de "doenças", não de saúde 11 anos 6 meses atrás #679

Nosso sistema de saúde, principalmente o que diz respeito ás doenças, está baseado nas idéias de Louis Pasteur.

No século XIX, haviam pelo menos duas teorias que procuravam explicar porque que nosso corpo adoece.

A "teoria dos germes" de Pasteur e a "teoria celular", de Antoine Béchamp


Teoria de Pasteur
- As doenças acontecem devido a microorganismos que invadem o corpo.
- Os microorganismos são a principal causa das doenças.
- Cada doença está associada a um microorganismo particular
- As doenças atingem a todos que entram em contato com estes microorganismos.
- Para prevenir as doenças devemos “construir defesas” (imunização).

Teoria de Béchamp
- As doenças ocorrem devido a microorganismos que já estão no corpo.
- Cada doença está associada com uma condição em particular.
- Microorganismos tornam-se patogênicos quando a saúde do hospedeiro se deteriora.
- As condições do hospedeiro são a causa principal de doenças.
- As doenças surgem devido às condições insalubres.
- Para prevenir doenças devemos construir saúde.

No fim da vida Pasteur reconheceu que a teoria de Béchamp fazia mais sentido do que sua própria, mas apesar de ter reconhecido isto, ele não deu os devidos créditos a Béchamp, que foi quase esquecido. Pelo contrário, Pasteur fez das teorias de seu oponente suas próprias. excluir

Bechamp acreditava que não bastava destruir doenças. Era necessário preveni-las, ou em suas palavras "Para prevenir a doença devemos construir saúde."

Esta era a idéia de Béchamp e é nisto que deve se basear nosso sistema de saúde.

 Higiene pessoal e do meio;
 Nutrição adequada;
 Condições adequadas de vida;
 Suporte social;
 Relações estáveis;
 Boa vida sexual;
 Sono reparador;

Please Entrar ou Registrar to join the conversation.

Pólio 11 anos 6 meses atrás #680

Albert Sabin declarou em 1984 que o fato de haver realizado pesquisa em macacos atrasou em mais de 10 anos a descoberta da vacina da pólio:
- “...0 trabalho na prevenção (da pólio) foi atrasado por uma concepção errônea da natureza da doença humana, baseada em falsos modelos experimentais em macacos”.

De acordo com o Centro de Vacinação de Adultos da UFRJ, indivíduos que recebem a vacina Sabin (oral, com vírus da Polio atenuado) eliminam os vírus junto com as fezes por cerca de seis semanas.

Isto significa que a vacinação coloca em circulação vírus atenuados que podem circular no ambiente, voltando à forma virulenta.
De fato, o CVA/UFRJ admite que “indivíduos saudáveis que recebem a Sabin podem, raramente, desenvolver poliomielite induzida por mutação (reversão) dos próprios vírus atenuados componentes da vacina, principalmente quando recebem a primeira dose.”

Este vírus vacinal mutante pode levar a uma epidemia de poliomielite, como já ocorreu no Egito (1983-1993) e, atualmente, ocorre na República Dominicana e no Haiti.

Nos EUA a utilização da vacina Sabin foi interrompida, e agora só se usa a Salk (vírus inativados). No Brasil ainda se usa a Sabin.

Estas informações eu peguei do site do Centro de Vacinação de Adultos da UFRJ

Please Entrar ou Registrar to join the conversation.

Re: Experimentação animal é fraude científica - Varíola 11 anos 6 meses atrás #681

Até o 1º ano de vida, uma criança brasileira já foi vacinada 12 vezes. Cada vez ela recebe vacina contra 4 a 5 antígenos diferentes.

Isto certamente sobrecarrega seu sistema imunológico, causando imunossupressão

Doenças infantis são importantes para o fortalecimento do sistema imune. Quem aqui não pegou catapora, sarampo ou caxumba?

Quando nos vacinamos simplesmente estamos trocamos doenças agudas por crônicas. E o que afinal é a vacina que aplicamos em nossas crianças?

Vacinas possuem agentes infecciosos (bactérias ou virus) inativados ou atenuados ou produtos ou componentes destes agentes (ex. pedaços de membranas, substâncias tóxicas produzidas por bactérias etc).

Estes antígenos encontram-se emersos em um caldo de composição desconhecida (soro de animais, células, embriões de galinha etc)

Este caldo pode possuir seqüências de DNA ou proteínas cujas ações no organismo humano são desconhecidas.

Veja que componentes são estes:

- Antígeno – Bactérias ou vírus, atenuados ou inativados
– Produtos ou componentes destes agentes (ex. pedaços de membranas, substâncias tóxicas produzidas por bactérias etc).
- Solvente - constituintes biológicos em que são produzidas as vacinas (soro de animais, células de meios de cultura, fragmentos de DNA, prions, proteínas etc).
- Adjuvantes - Compostos à base de sais de alumínio que aumentam o efeito da resposta imunológica do indivíduo vacinado.
- Estabilizadores
- Conservantes (thimerosal – à base de mercúrio)
- Antibióticos

Comer tais substâncias talvez não apresentasse nenhum problema, porque em nosso trato digestivo encontra-se quase 80% de todo o nosso sistema imune (amigdalas, apêndice e nódulos linfáticos). Mas introduzir tais substâncias diretamente na corrente sanguínea, sem passar pela proteção da pele, é muito arriscado. E que consequencias podem ser estas?

Mesmo as pessoas que defendem que as vacinas são imprescindíveis não negam que as vacinas gerem efeitos adversos na população.

A seguir encontram-se os efeitos adversos pós–vacinais reconhecidos pela fundação nacional de saúde

- tuberculose: Úlceras, abscessos subcutâneos, linfadenopatia, reação lupóide, lesões na pele, osteoarticulares e em linfonodos ou órgãos do tórax a abdome.
- hepatite B: Dor, enduração, febre, mal estar, cefaléia, astenia, mialgia, artralgia, reação anafilática
- poliomielite: Poliomielite associada á vacina.
- difteria, tétano, coqueluche: Edema, dor, febre, sonolência, irritabilidade, vômito, anorexia, choro persistente e inconsolável, perda de tônus muscular e ausência de respostas a estímulos, convulsões.
- sarampo, caxumba, rubéola: Ardência, eritema, hiperestesia, enduração, linfadenopatia, resposta imune local, febre, cefaléia, pan-encefalite, irritabilidade, conjuntivite, manifestações catarrais, exantema, meningite, púrpura trombocitopênica, urticária local, reações anafiláticas, articulares, porotidite, orquite e pancreatite.
- febre amarela: Dor e abscessos locais, febre, mialgia, cefaléia, reação anafilática e encefalite.

A criança está irritada, como febre, dor de cabeça, com dor no local onde a injeção foi aplicada, e o médico tranqüiliza o pai dizendo que é normal, que seria pior se a criança pegasse difteria.

A seguir algumas doenças cuja relação com as vacinas não são aceitas pelos defensores das vacinas:
- Doenças auto-imunes
- Mal de Parkinson
- Envelhecimento precoce
- Autismo
- Diabetes
- Câncer e leucemia
- Paralisias
- Esclerose múltipla
- Artrite
- Asma
- síndrome da morte súbita infantil
- Alergias diversas

Please Entrar ou Registrar to join the conversation.

Re: Experimentação animal é fraude científica - Varíola 11 anos 6 meses atrás #682

Em defesa da vivissecção têm-se alegado que a produção de vacinas não teria sido possível sem a experimentação animal.

Que se não fossem as vacinas, nossos problemas com doenças infecciosas como tuberculose, hepatite B, poliomielite, difteria, tétano, coqueluche, meningite, sarampo, caxumba, rubéola, escarlatina e febre amarela seriam muito maiores.

Mas foram mesmo as vacinas que controlaram estas doenças??

Vamos aos fatos.

A morbidade de crianças por febre escarlate, difteria, coqueluche e sarampo no Reino Unido já vinha declinando desde o fim do século XIX. Porém, a imunização compulsória para estas doenças somente começou na década de 1940, quando o declínio de morbidade para estas doenças já era de 90%. É justo dizer que foram as vacinas?

No caso a febre tifóide e da tuberculose nos EUA, estas doenças já declinavam desde a virada do século até que foram praticamewnte extintas entre as décadas de 1950 e 60. Acontece que neste país nunca houve programa de vacinação em massa para estas doenças. Portanto, a vacinação nada teve a ver com o declínio destas doenças, pelo contrário, muitas das pessoas que adquiriram estas doenças eram pessoas vacinadas. Ao que devemos atribuir o declínio destas doenças?

O declínio destas doenças pode ser atribuído a melhorias n@s:

- Condições sanitárias
- Abastecimento de água
- Melhorias nos hábitos de higiene pessoal
- Segurança alimentar (acesso a alimentos em quantidade e de qualidade)
- Condições de moradia (alvenaria, ventilação, drenagem etc)

Please Entrar ou Registrar to join the conversation.

Diabetes 11 anos 6 meses atrás #683

O caso do diabetes é mais um bom exemplo de o quanto a pesquisa em animais não trouxe benefícios para o ser humano.

Pelo contrário, a história mostra que as pesquisas em animais apenas atrapalharam e continuam atrapalhando.

Egípcios, gregos e chineses antigos já associavam o diabetes às suas causas;

Thomas Cawley, em 1788, observou que havia uma relação entre diabetes e degeneração do pâncreas. Ele fez isto não com base em estudos em animais, mas dissecando cadáveres humanos.

Claude Bernard e outros tentaram muitas vezes, mas não conseguiam induzir o fenômeno em animais. De acordo com os pressupostos de Claude Bernard, se uma doença não pode ser induzida em um animal, então não há provas de seu nexo causal. A relação entre pãncreas e diabetes foi uma informação importante, mas ignorada por mais de 100 anos.

Em 1889 Mering e Minkowski conseguiram induzir sintomas de diabetes em cães removendo seus pâncreas. Em 1922 Banting e Best conseguiram isolar a insulina de cães e isto lhes valeu um prêmio.

Mas a insulina que eles isolaram era muito tóxica. Sua primeira cobaia humana, Leonard Thompson, 14 anos precisou ter seu tratamento suspenso porque começou a manifestar sitomas que não puderam ser observados em animais de laboratório

Desde então, milhões tem sido gastos para tentar a produção de insulinas mais efetiva e cada vez menos tóxicas. Mas será que esta é a solução para o diabetes, tornar as pessoas insulino-dependentes?

Pouco se fez para descobrir:
1. Por que as pessoas se tornam diabéticas?
2. Por que o número de diabéticos vem crescendo?
3. Como evitar o diabetes?

A metodologia para isto encontra-se na epidemiologia e na pesquisa clinica. É aí que está o tratamento para o diabetes e não na experimentação animal.

Please Entrar ou Registrar to join the conversation.

  • Página:
  • 1
Tempo para a criação da página:0.556 segundos